História e Origem

Para Chegar a Rio Preto, atravessa-se sempre terreno montanhoso e Coberto de mata virgem, e when Sobre Algum Cume Elevado se PODE Avistar Grande Extensão de terras, SO SE notam Florestas e Montanhas.

À extremidade de uma ponte em uma cidadezinha encostada à montanha, composta de uma única rua muito larga e paralela ao rio. Tem uma cidade ou mesmo nome do rio; Depende do distrito de Ibitipoca e assim é uma Igreja não colada, servida por um capelão.

Como casas de Rio Preto, excetuando-se Uma UO Duas, térreas de São Paulo, Pequenas, mas possuem hum jardinzinho plantado de Bananeiras, cuja Pitoresca folhagem contribui PARA O embelezamento da Paisagem “.

Registro do Rio Preto
Auguste de Saint-Hilaire
de 1822

-benzóico. -benzóico.

 
RIO PRETO – HISTÓRIA E ORIGEM

Os Primeiros habitantes de todo o Vale do Rio Preto were Os Índios Coroados. Seu território é estendida da vertente sul da Mantiqueira até uma bacia do rio Paraíba do Sul. O principal aldeamento situava-se hoje na cidade de Valença e por onde começou, por volta de 1780, o processo de sua dominação. Estima-se em cerca de 1.400 a população indígena de então.

Os Primeiros colonizadores chegaram à Região, conhecida Como Sertão do Rio Preto, em busca de ouro, fartamente Encontrado NÃO SOMENTE nenhum rio Preto , mas em SEUS Diversos afluentes. O extrativismo do ouro e dos diamantes era então altamente rentável para a Coroa Portuguesa, que recolhia um quinto de toda a sua extração. Em função disso, uma Coroa proibia uma abertura de novos caminhos na região, pois eles se exportam à passagem “ilegal” do ouro. Uma era de intenção, com uma preservação da barreira natural das matas – limitações de um lado pelo rio Preto, e de outro pela Estrada Geral, semper patrulhada pelos soldados da Coroa -, forçar uma passagem do ouro pelo caminho oficial e pelo controle do fisco. E o Sertão do Rio Preto Passou a Ser Conhecido como Sertão Proibido UO, não Dizer oficial da Época, Arias prohibidas .

O lugarejo que veio a dar origem à atual cidade de Rio Preto nasceu a beira-rio, como único ponto onde era oficialmente permitida uma passagem do ouro com destino ao Rio de Janeiro. Chamava-se ENTÃO Registro de Rio Preto . E apesar de todo o esforço por parte da Coroa, não há sentido de exercer um controlo sobre uma região, o Sertão Proibido foi, na prática, largamente utilizado para o contrabando do ouro. Mais tarde, com o esgotamento da mineração, o Registro voltou-se para uma tributação da produção agrícola (cachaça, milho, toucinho e café) com destino ao Rio de Janeiro.

No início do século XIX, uma produção cafeeira começou a expandir-se para além dos arredores do Rio de Janeiro, chegando até Minas. Rio Preto foi uma porta de entrada do café em terras mineiras que, entre 1820 e 1870, foi uma maior atividade de produção do Vale do Rio Preto. Uma cultura do café marca um período de prosperidade e crescimento na história riopretana, sendo considerado como “apogeu econômico e político da região”. Em 1832, POR decreto da Regência, o Curato de Nosso Senhor dos Passos do Presídio foi elevado a Paróquia . Estava criado no distrito. Em 1844, por Lei Provincial, Rio Preto elevou-se à vila e era criado O Município de Nossa Senhora dos Passos de Rio Preto. Em 1871, uma vila tornou-se cidade.

A cidade então se desenvolve e cresce com a construção da Igreja Matriz de Nosso Senhor dos Passos, em 1860; Com uma inauguração da linha férrea Central do Brasil, em 1892; Com uma fundação da Santa Casa de Misericórdia, em 1886; Com o surgimento da imprensa local com o jornal “O Vigilante, em 1902; E com a chegada da luz elétrica, em 1917.

A virada do século, no entanto, vem marcar, para toda essa região cafeicultora, um profundo esvaziamento econômico e social. Grandes extensões de terra desmatada, enfraquecida e desvalorizada na criação de gado um novo destino. A partir daí, a pecuária leiteira ganha destaque na região e até hoje sua principal atividade econômica, juntamente com a produção de derivados do leite e agricultura de subsistência. No entanto, com o desprestígio das culturas em geral, teve um êxodo e queda da população rural, com pequeno aumento na cidade.

Rio Preto vem se destacando por seu potencial turístico, especialmente o Ecoturismo, com uma diversidade de sua fauna e flora, uma abundância de cachoeiras e suas belas paisagens montanhosas. A herança das grandes fazendas do ciclo cafeeiro também atrai turistas e visitantes à região.

Fontes de Pesquisa:
Rio Preto – Resumo Histórico, de José Marinho de Araújo, do Instituto Histórico e Geográfico do Estado de Minas Gerais;
Rio Preto: lavando uma alma da cidade, de Elizabeth Ferreira Linhares.